Tivemos 97.798 leitores em 2016 e 99.854 em 11 meses de 2017 e mais de 326 mil desde julho/2010 (3,6mil por mês, durante mais de sete anos)

25.3.09

Extracto do Jornal, O Cidade de Tomar, da passada semana.

Exemplo de uma actuação sindical correcta: denunciar erros do sistema, para que ele possa melhorar.

Desconheço neste momento, sinceramente, se esta questão é de todo assim, mas em todo o caso o que aqui é relevante são duas coisas:

1º Um exemplo de um sindicalismo, que não é de correia de transmissão de um qualquer comité central, ou dirigido localmente por um qualquer;

2º A prova de que muito falta ainda fazer no nosso Ministério da Educação, apesar de todas as críticas que se tem feito à actuação do Governo no sector: alguns dos serviços mantêm os velhos hábitos de não passarem cartuxo a ninguém, funcionando em verdadeira autogestão.

No final, vão ver, lá se assumirá o erro, com a coitada da Ministra a pagar as favas, mas ninguém dentro da estrutura administrativa do sector responsável, será responsabilizado pelo erro.

Não será tempo de pôr mesmo aquilo na ordem?

20.3.09

Precisamos em Tomar, de mudar!

Vimos dando nos primeiros meses deste ano, especial atenção às situações decorrentes da crise financeira internacional, que rapidamente alastrou por todo o mundo e começa agora a fazer-se sentir, de forma cada vez mais notória, também, no nosso Concelho.

Tendo uma origem bem identificada na total e absoluta irresponsabilidade da alta finança internacional, o colapso deste NEO-LIBERALISMO económico e político, tem levado à redução abrupta do consumo mundial.

Com a redução do consumo, cada vez mais empresas têm dificuldade em vender os seus produtos, e com o sucessivo aperto por parte das instituições financeiras, que renegoceiam os spreds comerciais, neste momento, já na ordem dos 15 a 20% ao ano, mais empresas têm dificuldade em se financiar para cumprir o pagamento dos salários aos trabalhadores e as contribuições ao Estado.

Apesar de estarmos, em Portugal, muito longe da situação que tínhamos há 24 anos, quando mais de meio milhão de Portugueses tinha mais de 6 meses de salários em atraso, a situação começa a ser preocupante.

Também no nosso Concelho situações em médios e grandes grupos como o Freitas Lopes, a Platex ou o João Salvador, que envolvem já perto de 700 trabalhadores, não podem deixar de nos preocupar. Especial atenção merece quando um destes grupos aponta, além da crise financeira internacional, o facto de o Município não honrar os compromissos financeiros que para com ele tem.

Especialmente agora que o tribunal de contas recusou aceitar o empréstimo para a Câmara pagar a decisão judicial de indemnizar a ParqT, em mais de 750.000€, não vai conseguir a Câmara pagar o que deve ao João Salvador ou a outra qualquer empresa.
A falência técnica da Câmara PSD é cada vez mais uma realidade, como sempre o PS disse.
O problema da crise em Tomar, não é assim de hoje, como muito bem sabemos.


A nível nacional e perante o avolumar de problemas financeiros, económicos e agora também sociais, tem o Governo dado resposta pronta, seja estendendo o subsídio social para desempregados por mais seis meses, que a título excepcional entra em funcionamento no próximo dia 1 de Abril, seja reduzindo o pagamento especial por conta e baixando o IRC às Empresas, por exemplo.

Também em inúmeros Municípios maiorias e oposições políticas confluíram para minorar os impactos sociais junto dos seus cidadãos. Em Tomar o assunto assumia especial ênfase em virtude de sucessivos anos de verdadeira RAPINA financeira feita pela Câmara aos seus cidadãos. Fosse nas taxas para a construção ou outras taxas aplicadas por exemplo para a instalação de empresas, na área do comércio, da indústria ou dos serviços. Só para se ter uma ideia um T3 em Tomar tem incorpurado em taxas para o Município, directas e indirectas, mais de 10.000 €, enquanto que em Abrantes ou Torres Novas, o valor não atinge 4.000€.

Nesse sentido, foi feito um esforço por toda a oposição para apresentar propostas que melhorassem a situação das pessoas e das empresas de Tomar. Na essência, o PSD recusou TODAS as que foram presentes pelo PS.

Recordo neste momento duas apresentadas pelo PS, e recusadas, que fazem todo o sentido.
A primeira que era a ISENÇÃO nos Transportes Urbanos de Tomar para todas as crianças até aos 10 anos e a redução de 75% nos bilhetes para os jovens até aos 18 anos e dos idosos com mais de 65, garantindo ainda a extensão da rede para a periferia da Cidade, que mais tarde os seus residentes vieram a exigir.
E, a segunda, a isenção total de taxas para investimentos do comércio local, das pequenas industrias e investimentos no turismo e a devolução de UMA HORA no Estacionamento a quem adquirisse produtos no Comércio local.

Estes exemplos, seguem na boa linha do que o Governo agora deliberou, criando uma moratória no pagamento das prestações à habitação.

Na habitação, as famílias serão auxiliadas com empréstimos para habitação própria e que tenham um dos membros do casal em situação de desemprego há mais de três meses.
Será criada, com as instituições financeiras, uma moratória nas prestações de crédito à habitação. Esta moratória poderá prolongar-se por dois anos e pode ser requerida até ao fim de 2009. Durante este período, as famílias com desempregados beneficiam de uma redução de 50% na prestação da casa. O Estado, através de uma linha de crédito específica, financiará o custo decorrente desta alteração, a uma taxa abaixo da própria Euribor em 0,5%.

Se o Governo PS defende as famílias, porque não o faz, também a Câmara PSD?

Ainda no que diz respeito ao investimento que vimos fazendo nas famílias e em Tomar, convém lembrar o Programa de Alargamento da Rede de Educação Pré-Escolar, estabelecido com municípios e instituições de solidariedade, de forma a poder garantir a TODAS as crianças com 5 anos o acesso ao PRÉ-ESCOLAR.

Com um investimento de 36 milhões de euros, 50% suportado pelos Ministérios do Trabalho e da Segurança Social e da Educação, o programa tem por base a concertação estratégica entre o governo, as autarquias e as instituições privadas de solidariedade social. 300.000€ já foram investidos em Tomar, na nova creche da Gualdim-pais, que será inaugurada no Sábado dia 28, às 15Horas pelo Ministro do Trabalho Vieira da Silva.
Com esta medida pretende-se generalizar o acesso ao ensino pré-escolar para combater as desigualdades.

Promover a justiça social é, sempre foi, o apanágio da governação socialista.
Por isso, precisamos em Tomar de mudar.
Mas já agora, só vale a pena mudar, se for mesmo para melhor.
O PS em Tomar vem demonstrando, de facto, ser a melhor solução para o nosso futuro.
Pode acreditar!


[Nota do dia, lida aos microfones da Rádio Hertz - FM98, hoje após o noticiário das 13H00, repetido no Domingo, também após o noticiário das 13H00]

18.3.09

UMA SÓ ATITUDE: A DEFESA DE TOMAR!

Temos vivido os últimos anos em Tomar, naquilo que poderemos definir como a fuga contemplativa.
Fugimos permanentemente dos problemas, com isso ajudando a criar outros. De seguida contemplamo-los, colocando quase sempre a culpa em terceiros.

Primeiro foi a culpar a economia nacional ou internacional, pelas sucessivas falências, pelas sucessivas incapacidades de gerirem os seus grupos empresariais, demonstradas pelas famílias tradicionais e de referência de Tomar. Incapacidades cimentadas na inadaptação aos novos paradigmas tecnológicos e de gestão dos anos 70 e 80.

Depois, foi durante essas e seguintes décadas, a fuga à realidade alimentada pela sucessiva especulação imobiliária, que teve o seu auge em meados dos anos 90, brilhantemente continuado nos anos seguintes. Aos problemas existentes, sem resolução eficaz, juntaram-se outros, a começar pela sucessiva rapina aos bolsos dos tomarenses, com elevadas taxas administrativas e prestação de serviços ao nível do terceiro mundo.

Temos fugido assim da realidade, culpando sucessivamente todos os Governos pelos males que são de nossa responsabilidade, especialmente porque a escolha da Câmara só depende de nós e na escolha do Governo, os tomarenses contam apenas com 0,5% dos votos, ou seja não decidem absolutamente nada.

A defesa de Tomar, de quem defende verdadeiramente Tomar, a sua história, compromisso simbólico e futuro estratégico, faz-se fazendo. Não se faz dizendo que se faz. Essa é uma diferença a que pouco a pouco, cada vez mais pessoas vão dando valor: valorizam quem apresenta resultados.

Os resultados da Câmara ou a ausência deles, são cada vez mais notórios. Quanto ao resto é fácil de ver:

Quem resolveu em definitivo as acessibilidades de Tomar à Nazaré (IC9) e a Coimbra (IC3), o primeiro já adjudicado e que será concluído até ao Verão de 2011 e o segundo no final do processo de adjudicação?

Quem resolveu em definitivo a vergonha que era a manutenção do Tribunal de Trabalho nas suas velhas instalações e abriu novas e funcionais instalações para o mesmo?

E quem instalou a PSP numa nova esquadra, devolvendo ao Município um edifício de sua propriedade, que durante dezenas de anos por essa foi ocupada?

Quem trouxe para Tomar um dos cem mini-campos desportivos, sintéticos, a nível nacional e dos oito do Distrito, a instalar até final de Maio, junto à associação das Serras da Sabacheira, que beneficiará a prática desportiva informal?

E quem investiu de forma determinante na nova creche da Gualdim-pais e que o Ministro Vieira da Silva vem inaugurar oficialmente no próximo dia 28 de Março?

Quem investiu desta forma em Tomar, sem ter responsabilidade directa na gestão do Município, merece ter o apoio do povo para governar o Município de Tomar.

Essa decisão podemos nós tomar, sem a ajuda de ninguém.

E aí acabarão definitivamente as desculpas!


[Artigo publicado na edição de 20 de Março de 2009, do Jornal "O Templário"]

11.3.09

Uma pessoa a falar verdade?

MEDINA CARREIRA, dixit

"Se aparece aqui uma pessoa para falar verdade, os vossos comentadores dizem «este tipo é chato, é pessimista».... Se vem aqui outro trafulha a dizer umas aldrabices fica tudo satisfeito... Vocês têm que arranjar um programa onde as pessoas venham à vontade, sem estarem a ser pressionadas, sossegadamente dizer aquilo que pensam. E os portugueses se quiserem ouvir, ouvem. E eles vão ouvir, porque no dia em que começarem a ouvir gente séria e que não diz aldrabices, param para ouvir. O Português está farto de ser enganado! Todos os dias tem a sensação que é enganado!"


E eu até nem sou de citar muito os outros ou de propagandear quem diz "apenas mal", mas este apanhado do Prof.Doutor Medina Carreira é de facto exemplar.

Exemplar pela pluralidade do pensamento que denota. Pela sua acutilância e coragem que demonstra. Pela clareza com que afirma aquilo que muitos não querem ver, mas que é essencial: DIZER A VERDADE AO POVO.
Quem assim agir, estou certo, ganhará muitos inimigos, mas no final acabará por ter a população do seu lado.

Os valores e os princípios não são negociáveis. A ética republicana que na política devemos prosseguir, também não.

Não há Homens sempre certos, nem sequer ideias sempre correctas. Há sim circunstâncias (MOMENTOS) e pensamentos (IDEIAS) correctas e pessoas que em cada o momento as/os sabem colocar em marcha.

Que façamos nós parte desse movimento: PELA VERDADE NA POLÍTICA!

6.3.09

Nota do dia na Rádio Hertz

Nota do dia, na Rádio Hertz [FM 98], lida hoje, após o noticiária das 13H00, repetida noDomingo, dia 8 de Março, depois do noticiário das 13H00.


As últimas semanas têm sido muito positivas para Tomar, apesar de algum desânimo que representou a resposta do Município às dificuldades dos Tomarenses, nas medidas de combate à crise.

Dizemos isso porque, por exemplo, foi ontem assinado em Lisboa um contrato entre o Instituto do Desporto, a Federação Portuguesa de Futebol e o Município, para a instalação no Concelho de um dos 100 mini–campos desportivos, pagos pelo Estado, a serem colocados esta ano em todo o País.


Estes mini-campos, são conforme o próprio nome indica, pequenos campos, em piso sintético, com dimensões aproximadas de 22 por 12 metros, que permitem a prática desportiva informal de futebol, andebol, basquetebol ou outros jogos com bola.

O grande objectivo destes mini-campos é o de fomentar a pratica desportiva, não oficial, portanto de tipo informal e é totalmente pago pela administração central, ficando apenas a autarquia com a responsabilidade da sua manutenção. Trata-se assim de uma oferta do Governo ao Concelho de Tomar, facto que não é demais destacar, especialmente quando estamos em tempo de dificuldades financeiras.

Este mini-campo irá ser instalado e ficar, digamos assim, à guarda do Grupo Desportivo e Recreativo da Sabacheira, clube que vem tendo nos últimos anos um desenvolvimento espectacular na divulgação e captação de centenas de jovens para a actividade física e dirigido por uma equipa jovem e dinâmica.

A juntar a esta boa notícia temos uma outra, que devendo orgulhar todos os Tomarenses, motivou uma azeda troca de galhardetes na última assembleia municipal.

Falamos da assinatura, realizada no castelo de Leiria no passado dia 26 de Fevereiro, do contrato de concessão Litoral-Oeste, onde está inserido o nosso IC9. E digo nosso, porque em todos os discursos e divulgação de comunicação efectuada pelo concessionário, onde pontua entre outros o Grupo Lena, a relevância era colocada na construção do IC9 entre a Nazaré e Tomar.
Esta cerimónia, onde como vem sendo cada vez mais hábito a Câmara de Tomar optou pela ausência, garante a conclusão do IC9 que nos ligará à Nazaré, até Julho de 2011.

A importância desta estrada é de todos sabida e representa a redução de 46% dos acidentes rodoviários neste percurso existentes, bem como a redução de 33 minutos no percurso efectuado entre Tomar e a Nazaré.

Ao optar por estar ausente da cerimónia de assinatura, a Câmara de Tomar e o seu Presidente Corvêlo de Sousa, demonstram o desinteresse pela construção desta via, bem como pelo IC3, que o PS já garantiu continuar a pressionar para a sua concretização, que estamos certos poderá vir a ter desenlace de concessão até Junho deste ano.

Ainda sobre o IC9, as obras a partir da Estação de Fátima arrancarão brevemente. Com este importante investimento, que ficará 25% mais barato do que havia sido lançado a concurso, Tomar ganha finalmente acesso ao litoral e o nosso Convento de Cristo, dimensão real de parceria com o Mosteiro da Batalha e de Alcobaça.
Mais do que a candidatura ao QREN, onde o Município se envolveu, mas que com a incapacidade de execução que se lhe conhece, infelizmente não vai representar uma melhoria substancial na visibilidade do nosso Convento de Cristo, o IC9 vai tornar Tomar novamente um centro importante de desenvolvimento regional.

Devemos mais esta afirmação ao Governo socialista, que conseguiu finalmente tirar do papel uma estrada de importância crucial para o futuro de Tomar.

E por falar em futuro, foi também notícia na última Assembleia Municipal as questões relacionadas com a segurança na cidade de Tomar. Dando relevo a algumas situações, que envolveram recentemente alguns grupos de jovens e também um conhecido comerciante da noite da nossa Cidade, a bancada do PS apresentou uma recomendação à Câmara, prontamente recusada pelo PSD.

Num sectarismo sem precedentes, orientado apenas pela sua completa e absoluta fobia contra os socialistas, seja no governo ou às propostas úteis, ponderadas e responsáveis que o PS tem vindo a apresentar em Tomar, o PSD vota contra tudo o que o PS apresenta sem sequer ler.

A Lei permite que a Câmara Municipal, se proponha criar o Conselho Municipal de Segurança, de forma a serem tomadas medidas imediatas de actuação e de combate à violência e à criminalidade em Tomar. Mais, em Agosto do ano passado o Governo Socialista elaborou com a Associação Nacional de Municípios um protocolo visando, a criação de um CONTRATO DE SEGURANÇA, a assinar entre o Município e a autoridade de segurança respectiva (PSP e GNR), através de uma proposta que terá de partir da Câmara.

Portanto CONSELHO Municipal de Segurança e CONTRATO de SEGURANÇA, dois instrumentos ao dispor da Câmara PSD, que esta recusou mais uma vez, apenas e só, porque foi proposto pelo PS.

Além de omitir nas actas da Assembleia Municipal, a generalidade das intervenções dos deputados municipais eleitos pelo PS, o que levou este pela primeira vez a votar contra as respectivas actas, a maioria que Miguel Relvas gere na Assembleia Municipal, e a maioria que Corvêlo de Sousa gere na Câmara, bloqueiam propostas correctas e que melhorariam a vida dos Tomarenses, apenas por profundo sectarismo e incapacidade de as lerem antes de votarem.

É se calhar tempo para os aconselhar a frequentarem de novo a escola primária, porque lá, além de se aprender a ler e a contar e agora, desde que o PS está no Governo, se aprende muito mais como por exemplo Inglês, a maioria PSD da Câmara de Tomar, poderia apreender a estar ao serviço das populações, em lugar de estar ao serviço de si própria.

Ausente do IC9, desligado do IC3, recusando propostas do PS para a melhoria da segurança das populações, insensível aos problemas sociais dos Tomarenses e das suas Empresas, que vêm sendo roubados, na água e nas taxas ao longo dos últimos anos, o PSD em Tomar é cada vez mais parte do problema em lugar de ser parte da solução.

Felizmente que temos o PS para ser alternativa a esta gente!