Tivemos 97.798 mil leitores em 2016 - 8150/mês, 80.511 até ao 3.Trimestre de 2017 - 8.950/mês e mais de 310 mil desde julho/2010 (3.600 por mês, durante mais de sete anos)

22.11.13

Carta aberta a um mentecapto

Com a devida vénia:


Carta Aberta a um MENTECAPTO (João César das Neves)
Publicado em 18/11/2013 por CiberPress
Meu Caro João,
Ouvi-te brevemente nos noticiários da TSF no fim-de-semana e não acreditei no que estava a ouvir.
Confesso que pensei que fossem “excertos”, fora de contexto, de alguém a tentar destruir o (pouco) prestígio de Economista (que ainda te resta).
Mas depois tive a enorme surpresa: fui ler no Diário de Notícias a tua entrevista (ou deverei dizer: o arrazoado de DISPARATES que resolveste vomitar para os microfones de quem teve a suprema paciência de te ouvir). E, afinal, disseste mesmo aquilo que disseste, CONVICTO e em contexto.
Tu não fazes a menor ideia do que é a vida fora da redoma protegida em que vives:
– Não sabes o que é ser pobre;
– Não sabes o que é ter fome;
– Não sabes o que é ter a certeza de não ter um futuro.
Pior que isso, João, não sabes, NEM QUERES SABER!
Limitas-te a vomitar ódio sobre TODOS aqueles que não pertencem ao teu meio. Sobes aquele teu tom de voz nasalado (aqui para nós que ninguém nos ouve: um bocado amaricado) para despejares a tua IGNORÂNCIA arvorada em ciência.
Que de Economia NADA sabes, isso já tinha sido provado ao longo dos MUITOS anos em que foste assessor do teu amigo Aníbal e o ajudaste a tomar as BRILHANTES decisões de DESTRUÍR o Aparelho Produtivo Nacional (Indústria, Agricultura e Pescas).
És tu (com ele) um dos PRINCIPAIS RESPONSÁVEIS de sermos um País SEM FUTURO.
De Economia NADA sabes e, pelos vistos, da VIDA REAL, sabes ainda MENOS!
João, disseste coisas absolutamente INCRÍVEIS, como por exemplo: “A MAIOR PARTE dos Pensionistas estão a fingir que são Pobres!”
Estarás tu bom da cabeça, João?
Mais de 85% das Pensões pagas em Portugal são INFERIORES a 500 Euros por mês (bem sei quealgumas delas são cumulativas – pessoas que recebem mais que uma “pensão” – , mas também sei que, mesmo assim, 65% dos Pensionistas recebe MENOS de 500 Euros por mês).
Pior, João, TU TAMBÉM sabes. E, mesmo assim, tens a LATA de dizer que a MAIORIA está a FINGIR que é Pobre?
Estarás tu bom da cabeça, João?
João, disseste mais coisas absolutamente INCRÍVEIS, como por exemplo: “Subir o salário mínimo é ESTRAGAR a vida aos Pobres!”
Estarás tu bom da cabeça, João?
Na tua opinião, “obrigar os empregadores a pagar um salário maior” (as palavras são exactamente as tuas) estraga a vida aos desempregados não qualificados. O teu raciocínio: se o empregador tiver de pagar 500 euros por mês em vez de 485, prefere contratar um Licenciado (quiçá um Mestre ou um Doutor) do que um iletrado. Isto é um ABSURDO tão grande que nem é possível comentar!
Estarás tu bom da cabeça, João?
João, disseste outras coisas absolutamente INCRÍVEIS, como por exemplo: “Ainda não se pediram sacrifícios aos Portugueses!”
Estarás tu bom da cabeça, João?
Ainda não se pediram sacrifícios?!?
Em que País vives tu, João?
Um milhão de desempregados;
Mais de 10 mil a partirem TODOS os meses para o Estrangeiro;
Empresas a falirem TODOS os dias;
Casas entregues aos Bancos TODOS os dias;
Famílias a racionarem a comida, os cuidados de saúde, as despesas escolares e, mesmo assim, a ACUMULAREM dívidas a TODA a espécie de Fornecedores.
Em que País vives tu, João?
Estarás tu bom da cabeça, João?
Mas, João, a meio da famosa entrevista, deixaste cair a máscara: “Vamos ter de REDUZIR Salários!”
Pronto! Assim dá para perceber. Foi só para isso que lá foste despejar os DISPARATES todos que despejaste.
Tinhas de TRANSMITIR O RECADO daqueles que TE PAGAM: “há que reduzir os salários!”.
Afinal estás bom da cabeça, João.
Disseste TUDO aquilo perfeitamente pensado. Cumpriste aquilo para que te pagam os teus amigos da Opus Dei (a que pertences), dos Bancos (que assessoras), das Grandes Corporações (que te pagam Consultorias).
Foste lá para transmitir o recado: “há que reduzir salários!”.
Assim já se percebe a figura de mentecapto a que te prestaste.
E, assim, já mereces uma resposta:
- Vai à MERDA, João!
Um Abraço,
Carlos Paz

16.11.13

Gestão de assiduidade na Câmara de Tomar, sem funcionar há quase 5 anos, tem mais de 10.000€ de pagamentos ilegais

Sabia que o seu Município tem, desde 1/2/2009 em vigor um contrato com uma empresa de registo de assiduidade, no valor anual de mais de 2.500€, para um sistema que desde que foi contratado NUNCA entrou em funcionamento?
 
E sabia que esse contrato foi renovado sucessivamente, sem autorização legal para o efeito, uma vez que estava obrigado a ser aprovado pela câmara municipal e que foram os presidentes de câmara de então, eleitos pelo PSD, que o autorizaram sem o poderem?
 
Quem devolve os mais de 10.000€ ilegalmente pagos

> Consulte o dispositivo e as suas funcionalidades aqui
> Leia o contrato
> Leia a lei

10.11.13

Imagine no religion

Local original do post de Lucas Rebello (https://www.facebook.com/lucas248):
 
 
[Opinião]
 
John Lennon citou em uma das mais famosas (e bonitas) músicas de todos os tempos, Imagine, que se o mundo não tivesse religiões, viveríamos num lugar melhor. Muitos debates cercam o tema, você pode imaginar um mundo sem religião?

Imagine um mundo sem religião

Sem dúvida é preciso abstrair e ser muito criativo para imaginar como seria o mundo hoje se a civilização humana não se baseasse em uma única religião sequer. Eliminar a religião hoje é algo praticamente impossível, e não é melhor forma de se lidar com a questão.
 
A religião é um dos principais fatores para que o mundo seja tão violento como é hoje em alguns lugares. Caso ela não existisse, não teríamos ataques suicidas, eventos como o 11 de Setembro, Talibã e as infinitas guerras entre judeus e palestinos e outros povos do Oriente Médio.
 
 Muitas atrocidades ocorreram em nome de Deus, como as Cruzadas, onde milhares pessoas morreram, foram saqueadas sobre o pretexto da Igreja de reconquistar Jerusalém, deixando rastros de sangue por quase dois séculos. Em nome da religião se mata e também se salva. Pensar por esse lado nos fazer crer que se o homem nunca tivesse tido uma religião, o mundo seria melhor hoje.
 
Entretanto, a religião é aberta e sujeita a interpretações circunstanciais e influências sobre cada um de nós e tem sido usada para promover e apoiar movimentos de tanto guerra como paz, o que nos leva a concluir que a religião é nada mais que um instrumento usado conforme a habilidade de quem o domina, ou seja, não pode ser classificada como a causa do mal ou o contrário. A religião não é o único fator que gera conflitos; há inúmeros outros, entre os principais o dinheiro, mas todos eles se resumem à estupidez humana como um todo.
 
Ciência e principalmente a medicina estariam num pilar de desenvolvimento superior ao que é hoje. A religião cria barreiras para o avanço das áreas citadas, como o desenvolvimento de pesquisas com células-tronco, o uso de preservativos, aborto ou clonagem.
 
Em suma, a religião provavelmente nunca irá acabar, mas é possível imaginar o mundo sem ela. Menos guerras e mais avanços científicos e menos manipulação também.

7.11.13

Perceber as opções em democracia

Nem sempre é fácil os atores políticos se aperceberem em tempo útil das mudanças das sociedades.
Hoje, mais do que nunca, o alheamento entre o discurso político e a realidade toma formas de despudor e de total ausência de critério que, para a maioria esmagadora dos cidadãos, ser ou exercer funções políticas equivale, quase, a ser um habitante de Marte em visita à Terra.

A linguagem é hermética. As "graças" proferidas, verdadeiras pérolas da excentricidade dialética e linguística e, mesmo aqueles que tentam falar claro, com verdade e realismo, são vistos "inter pares", como perigosos "estrangeirados". E a generalidade da população lá vai seguindo a sua vida, ou melhor, aquilo a vida que este Governo de lunáticos tem permitido, completamente indiferente ao discurso político e às tricas permanentes entre o seus atores.

Facilmente a grande maioria da população se permite a afirmar que "eles são todos iguais", não sendo instigada a cuidar de ver melhor. Sim eles parecem todos iguais, especialmente aqueles que se preocupam com demasia do que os chamados "líderes de opinião" deles pensa, afirma ou escreve. Quem pela imprensa vive, pela imprensa morre. Vidé José Sócrates e Francisco Louçã, fenómenos de intervenção pública mediática, pelos media apadrinhada e que subindo ao limite que cada um podia obter, rapidamente se esfumaram pela espuma dos dias, isto apesar da indiscutivel qualidade dialética e política de cada um deles.

Em Tomar vivemos hoje o tempo dos comunicados, num retorno a um passado de há 30 anos, numa sociedade empobrecida e esclerosada por laivos de uma moral censória, depois de uma atendente campanha que priveligiou, por parte dos vencedores, a ida direta ao eleitor anónimo, que lê o que quer e escolhe quem quer, sem intermediários e por parte dos vencidos o convencimento da fraqueza do contendor, o que se demonstrou fatal.

Governar é decidir e, em todas as autarquias de Tomar, isso acontece todos os dias, em prol do melhor que cada pode e sabe para os fregueses ou para os munícipes. Em todas? Não! Que na junta urbana os restos do PPD local mantêm-se a secreta esperança de vingar a sua recente morte. Debalde.
Enquanto se trabalha arduamente por recuperar a credibilidade depois de mais de uma década de convencimento de que o caminho apontado era o correto, alguns preferem o comunicado como arma de inverdade para afastar ainda mais o povo das eleições. Sabemos bem que para uns poucos isso seria muito útil: manterem-se, eternamente, em situações de conforto. Pois é humano e compreensível. Mas para a esmagadora de uma silenciosa maioria de tomarenses, os desentendimentos e os desarranjos entre políticos, mais não são do que jogos florais, que afastam os eleitores das urnas.

Sim, porque é por fim nas urnas que tudo termina. Literal e simbolicamente falando. Ou começa...

1.11.13

Pouco a pouco o caminho da afirmação da Herança Templária faz-se!

TOMAR - Cidade continua a afirmar-se como sede mundial dos Cavaleiros Templários


No início deste ano, a Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolymitani (OSTMH) anunciou que estava em negociações para instalar em Tomar a sua sede mundial. Durante a semana que passou, outra Organização de Templários, a Grande Comenda dos Cavaleiros Templários (GCKT) permaneceu e visitou a região templária de Tomar.

Os Cavaleiros e Damas do Reino Unido e dos EUA disseram que estavam "encantados e impressionados" com a região. O Grão-Mestre da Ordem, Sir Mark Borrington, referiu que "foi um grande prazer visitar Tomar e reunir colegas cavaleiros da Comenda de Portugal da OSMTH. Foi uma honra e um privilégio tê-los na nossa Investidura e no jantar no Convento de Cristo. 

Fomos recebidos com muito calor e hospitalidade pelo povo de Tomar. Tenho certeza que este encontro marcará uma relação longa e bem sucedida de todos os templários de todas as localidades. Estou ansioso para participar na próxima Festa Templária em 2014." Para Peter Moore da Templar Knights Tours of Tomar, que organizou a visita, em parceria com a empresa Caminhos da História, "como membro da OSMTH fiquei muito contente por mostrar aos nossos hóspedes do Reino Unido e dos EUA a nossa região maravilhosa e os seus locais históricos magníficos. 

Sei que adoraram o que viram e muito deles vão voltar no próximo ano para a Festa Templária." Os membros da Comenda de Portugal da OSMTH, João Fiandeiro, Jorge Rodrigues e Nascimento Costa participaram na cerimónia de investidura e no jantar no Convento de Cristo, com os membros da Ordem do Reino Unido e EUA. 

João Fiandeiro reforçou que "o reconhecimento da marca dos Cavaleiros Templários e da sua associação a Tomar está a crescer. Atrai um nicho de mercado, que na verdade é um grande mercado, muito importante para a economia de Tomar e da região."

2013-11-01 17:45:19
In Radio Hertz Tomar - Director: João Fernando Franco de Jesus ( joaofranco@radiohertz.pt )

O perigo de uma pecuária à sua porta

Download do mapa
Está em curso o inquérito público, para uma alteração ao PDM, o qual poderá permitir a instalação de uma qualquer pecuária a zero metros do limite urbano de qualquer aldeia, ou mesmo da cidade de Tomar.

Atualmente as regras do PDM obrigam ao afastamento mínimo de 500 metros dos limites urbanos.
Mesmo assim 160 das 205 pecuárias que existem, fruto do levantamento realizado pelos serviços do Município, estão a menos de 500 metros dos núcleos urbanos.

É do interesse vital de todos participarem neste inquérito público, que está por 30 dias, até 28 de Novembro de 2013 disponível.

Consulte aviso do inquérito público: http://dre.pt/pdf2sdip/2013/10/209000000/3213332133.pdf

Mais informação e mapas, aqui