Tivemos 97.798 leitores em 2016 e 99.854 em 11 meses de 2017 e mais de 326 mil desde julho/2010 (3,6mil por mês, durante mais de sete anos)

9.2.17

Candidatura conjunta do PS e da CDU à Câmara - a resposta óbvia à candidatura de Boavida!

Nota do dia, realizado na Rádio Hertz (FM92 e FM98), quinzenalmente às quartas-feiras. Próxima dia 22 de fevereiro de 2017.

O INEVITÁVEL, O ÓBVIO E O RESOLÚVEL

Esta será talvez a única crónica, neste ano de eleições autárquicas que abordarei a questão, relevante para o nosso futuro próximo, das candidaturas propostas ao mandato que se estenderá até 2021. Faço-o como autarca, que sou, como socialista que sempre fui e como tomarense que quero continuar a ser.
E o inevitável aconteceu nas últimas semanas, com a confirmação da candidatura por parte do PSD, do conhecido Luis Filipe Boavida, trabalhador do Município, seu dirigente durante muitos anos, ativista social e associativo, e permanente conviva de tertúlias.
Luis Boavida (ao centro), numa das suas múltiplas atividades sociais

Desde logo junta-se à anunciada recandidatura da atual Presidente, feita a dois anos das eleições – coisa aliás nunca vista em lado nenhum e à candidatura do CDS-PP, do Professor do Politécnico Nuno Ribeiro, pessoa simpática, mas totalmente desconhecida em Tomar.
O inevitável candidato dos sociais democratas impôs-se de fora para dentro, ou seja, avaliada a sua popularidade e, mais do que tudo, a sua efetiva preparação e conhecimento do mister autárquico, tal como eu em entrevista a um jornal da cidade, em setembro de 2016, recordei que tinha.
Foi a óbvia derrota do aparelho partidário do PSD, mas inteligentemente tida, procurando assim maximizar a figura, sobejamente conhecida por todo o Concelho, de Luis Filipe Boavida.
Ora, se o PSD teve a argúcia política de encontrar o candidato mais forte, para tentar levar de vencida os socialistas, que têm imenso trabalho concretizado, na gestão do Município, mas também das freguesias sob a sua responsabilidade direta, a óbvia resposta do PS, só pode ser na mesma linha: da capacidade de inteligentemente inovar e pensar fora dos cânones habituais.
O povo está farto de políticos e de politicas de laboratório. Vêm-no demonstrando em sucessivas eleições, legislativas, autárquicas e presidenciais.
O PS vai realizar neste sábado o seu grande almoço de “ano novo”, este ano um bocadito atrasado, mas naturalmente compreensível, face às difíceis circunstâncias de casos, casinhos e na caxeta em que a sua Presidente de Câmara o tem mergulhado, especialmente ao longo do último ano.

É o momento esperado de unidade, onde a presença de todos é absolutamente fundamental - dirigentes, autarcas, candidatos e suas famílias, de forma a que se possa demonstrar que o PS não está medroso e que a forte candidatura do seu principal adversário, não constitui uma verdadeira ameaça.
Naturalmente que se espera neste arranque de campanha, que constituirá este grande almoço socialista, um marco do que é resolúvel. Aqueles, de entre a família socialista que conseguirem apoiar a recandidatura da Presidente devem estar presentes e vibrantes, acreditando ser possível, valorizar o que de bom e de bem foi feito, relativizando o de menos bom e o que ficou por fazer.
E há uma matéria óbvia, sob o ponto de vista de estratégia política, que é a resolução para a dificuldade que o PSD colocou ao PS, com a candidatura de Luis Filipe Boavida, o qual foi, recordo, convidado pela atual Presidente, em 2013, para ser o seu numero dois.
Dado o sucesso, pelo menos a nível de resultados reais para as populações, que tem sido o acordo político entre o PS e a CDU e dado que existe uma governação nacional apoiada por estes, é o momento ótimo, único diria mesmo, para que o PS e a CDU estabeleçam em Tomar uma candidatura única à Câmara Municipal.
Sem dúvida que o eleitorado perceberia, pois se estão a governar com eficácia, com eficiência e com a qualidade que tem sido visível, e se o entendimento entre a presidente e vereadores, eleitos por ambos, é notória e evidente, já se diz no jargão desportivo: equipa que ganha não se mexe.
Este é o salto que ninguém esperaria e que, em definitivo, afastaria o risco do PSD reconquistar, em setembro, a Câmara de Tomar.
O povo diz amiúde, e é verdade: Para grandes males – a candidatura de Luis Filipe Boavida, grandes remédios – uma candidatura conjunta do PS e da CDU à Câmara.
Já a partir de sábado: Alea Jacta Est, ou seja, os dados estão lançados.
Boas eleições!
Tomar é de Todos!
... e também é deste!


2 comentários:

Fernando Vieira disse...

Era interessante explicar por que é que a candidatura de Luís Boavida é o grande mal

Luis Ferreira disse...

É o grande "mal", para o PS, porque é um candidato forte, pois conhece e sabe bem o que é a autarquia e é muito conhecido. Mal, lei-se, para o PS. O remédio, natural, normal e ao alcance de qualquer mortal é que a atual "coligação", pós-eleitoral que governa o Município 3PS+1CDU, se transforme numa coligação pré-eleitoral. Assim ficaria evidente que Luis Filipe Boavida (PSD), nunca conseguiria ganhar a Câmara. E isso, reduziria ainda mais a sua hipótese de constituição de listas e de penetração eleitoral.