Tivemos 97.798 leitores em 2016 - 8150/mês, 90.905 em 10 meses de 2017 e mais de 320 mil desde julho/2010 (3.580 por mês, durante mais de sete anos)

16.5.17

Quem quer ter como Presidente da Câmara uma condenada pela justiça?

Na Câmara Municipal...

Uma só vez não seria suficiente.

Foram preciso duas condenações, dadas pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria, para que todos ficássemos a saber que Anabela Freitas, não só não cumpre a lei, como a violou duas vezes, sem quaisquer escrúpulos. E, parece que tentou mesmo pagar a primeira condenação (de setembro de 2016), com um cheque do Município, quando o teria (e acabou por ter fazê-lo), a partir da sua própria conta bancária.

Em Tomar, nunca tal aconteceu a um autarca eleito e no decurso das suas funções, fosse ele Presidente ou Vereador. Mesmo no tempo de Pedro Marques, apesar de tudo o que se falou na altura, nunca a justiça o condenou por qualquer ilícito administrativo, o que mostra bem a gravidade do atual caso.

Anabela Freitas podia até ter cumprido tudo o que prometeu - o que está ainda longe de ser verdade, pois até ao fim de 2015, já 44% das 100 propostas do PS estavam concretizadas e no final de 2016, as mesmas eram de apenas 50%.
Podia até ser o mais humano dirigente e respeitador dos direitos dos outros, mas é sabido como desrespeita os oponentes e quem com ela tem o “azar” de discordar - basta ouvir ou ver on-line as reuniões de Câmara e Assembleia.
Podia até a sua palavra valer de alguma coisa, mas é sabido que muitas das vezes promete uma coisa a uns e depois esquece-se e prometo o mesmo a outros, como é o caso do prometido parque escutista para ser concretizado junto às Piscinas e que afinal vai ser uma pista de corta-mato.

Seria compreensível que as dificuldades iniciais, de organização da Câmara, Administrativas e Financeiras, a tivessem levado a errar, a decidir mal porque não sabia o suficiente. Mas não. Apenas mais de dois anos depois de tomar posse, no final de dezembro de 2015, se iniciaram as decisões judiciais que a Presidente violou reiteradamente e que a condenariam a pagar mais de 10.000€ do próprio bolso.
Cópia do cheque emitido, com a assinatura da Presidente, para pagar condenação de Anabela Freitas

Condenada em 2016 e 2017, quando já não tem a desculpa que durante o início do mandato havia sempre, que a culpa seria do seu chefe de gabinete (ou seja de mim próprio), pois este saiu no final de 2015.
Capa do jornal "O Templário", com a primeira notícia pública (23/1/2017)

A saída intempestiva do seu vereador do urbanismo (Rui Serrano) em agosto de 2016, afirmando que havia um problema na Câmara e que ele tinha um nome: Anabela Freitas, não foi na altura devidamente percebido. Entretanto num primeiro momento este foi também o bode expiatório da culpa, que é exclusivamente de Anabela Freitas. Sabida a condenação e o caso do cheque, foi de novo ensaiado outro(s) bodes expiatórios - o diretor financeiro (António Cúrdia) e os serviços do Município, o que de novo é falso também e, agora circula a tese de que a culpa é da Advogada síndica da Câmara (Anabela Estanqueiro).

No fundo ao trazer para a discussão estes dois nomes, Anabela Freitas, atuando mais uma vez sem quaisquer escrúpulos, pretende a breve prazo ver-se livre também destes dois quadros reconhecidamente competentes, técnica e politicamente, do PS em Tomar.

E, conhecendo-a como conheço bem, vai fazer assim, com todas e com todos os que tenham a veleidade de colocarem em causa a sua prepotência e incompetência, a qual começa a saltar à vista de todos os cidadãos.

Tomar merece isto?

Aliás, alguém quer ter como presidente da Câmara uma pessoa condenada por violar os direitos dos cidadãos?

Sem comentários: