Tivemos 97.798 leitores em 2016 - 8150/mês, 90.905 em 10 meses de 2017 e mais de 320 mil desde julho/2010 (3.580 por mês, durante mais de sete anos)

26.8.17

Pedro Marques, de novo ao "assalto", no PS

Foi durante oito anos presidente da Câmara, eleito pelo PS nos anos 90 do século passado. Após ter ganho a Câmara com 51%, foi afastado de ser recandidato por unanimidade da Comissão Política do PS, em 1996, por sucessivas suspeitas, nunca devidamente justificadas, face a processos administrativos na área da gestão do urbanismo. 

Desaparecido durante oito anos, voltaria em 2005 a apresentar-se como candidato independente à Câmara, vindo sempre a ser eleito vereador. 

A sua atuação foi sempre no mesmo sentido: lançar permanentes suspeitas sobre a idoneidade dos demais autarcas, numa perspetiva de avaliação, como se todos agissem, no século XXI, como ele parece ter agido no século XX.  

Consciente do seu esvaziamento, após a vitória do PS em 2013, apenas lhe interessou sempre o acesso aos serviços do urbanismo, onde acaba por ter um “especial gosto” de acompanhar determinados processos. 

Barrado pelo vereador José Vitorino (PS), em 2010-11 e pelo vereador Rui Serrano (PS) em 2014-15, para não haver qualquer tolerância de intromissão ou tentativa de “influenciar” decisões, Pedro Marques, sentiu que após a minha saída de chefe de gabinete em dezembro 2015, do vereador Serrano em agosto de 2016 e, especialmente depois das condenações de Anabela Freitas em 2017, que o caminho estaria LIVRE. 

Daí a ser mandatário da candidatura do PS, ía um passo. 

E o PS, que fez um percurso longo de oposição - entre 1998 e 2013, sem nunca transigir com quaisquer apoios ou ajudas habituais nestas coisas, e que ganhou o poder de forma LIMPA, desistiu de resistir…


Tomar merece isto?

A candidata "condenada" e o seu mandatário, afastado em 1996 por unanimidade pelo PS de ser seu recandidato

Sem comentários: