Tivemos 97.798 mil visitas em 2016 - 8150/mês, 60.001 de janeiro a agosto de 2017 e mais de 297 mil desde julho/2010

26.8.17

Pedro Marques, de novo ao "assalto", no PS

Foi durante oito anos presidente da Câmara, eleito pelo PS nos anos 90 do século passado. Após ter ganho a Câmara com 51%, foi afastado de ser recandidato por unanimidade da Comissão Política do PS, em 1996, por sucessivas suspeitas, nunca devidamente justificadas, face a processos administrativos na área da gestão do urbanismo. 

Desaparecido durante oito anos, voltaria em 2005 a apresentar-se como candidato independente à Câmara, vindo sempre a ser eleito vereador. 

A sua atuação foi sempre no mesmo sentido: lançar permanentes suspeitas sobre a idoneidade dos demais autarcas, numa perspetiva de avaliação, como se todos agissem, no século XXI, como ele parece ter agido no século XX.  

Consciente do seu esvaziamento, após a vitória do PS em 2013, apenas lhe interessou sempre o acesso aos serviços do urbanismo, onde acaba por ter um “especial gosto” de acompanhar determinados processos. 

Barrado pelo vereador José Vitorino (PS), em 2010-11 e pelo vereador Rui Serrano (PS) em 2014-15, para não haver qualquer tolerância de intromissão ou tentativa de “influenciar” decisões, Pedro Marques, sentiu que após a minha saída de chefe de gabinete em dezembro 2015, do vereador Serrano em agosto de 2016 e, especialmente depois das condenações de Anabela Freitas em 2017, que o caminho estaria LIVRE. 

Daí a ser mandatário da candidatura do PS, ía um passo. 

E o PS, que fez um percurso longo de oposição - entre 1998 e 2013, sem nunca transigir com quaisquer apoios ou ajudas habituais nestas coisas, e que ganhou o poder de forma LIMPA, desistiu de resistir…


Tomar merece isto?

A candidata "condenada" e o seu mandatário, afastado em 1996 por unanimidade pelo PS de ser seu recandidato

Sem comentários: